Roda de tereré 4

Roda de Tereré é um espaço especifico no site da ABEn-MS para receber nossos convidados e ter uma boa conversa com sabor de experiência, alegria e dedicação à enfermagem

Roda de Tereré n. 4

Conheça Sueli Oliveira da Silva

No mês de lançamento do site da ABEn MS, convidamos as seis presidentes de gestões anteriores, para uma entrevista, sobre a sua motivação e participação na entidade de classe. 

A nossa quarta convidada é a enfermeira Sueli Oliveira da Silva, presidente da Associação Brasileira de Enfermagem ABEn seção MS, na gestão 2007-2010 e 2010-2013.

Graduada em Enfermagem e Obstetrícia e Licenciatura Plena pela Pontifícia Universidade Católica do Paraná (1995). Fez pós-graduação em Administração Hospitalar/UNAERP, Formação Pedagógica em Educação Profissional na Área de Saúde: Enfermagem (Profae) e Enfermagem em Urgência e Emergência, na UFMS. Mestre em Psicologia, área de concentração Psicologia da Saúde, pela UCDB. Em 1996, iniciou as atividades no setor de Centro Cirúrgico na Santa Casa de Campo Grande. Atuou como professora de aulas teóricas e práticas em Cursos de Técnicos de Enfermagem, nas escolas Senac, SRH, Paulo Freire, Profae e Cegran. Em 2001, foi Coordenadora do Curso Técnico em Enfermagem na Escola Paulo Freire. No período de 2005-2011, foi Coordenadora do Curso Técnico de Enfermagem na Escola CEGRAN. Docente do curso de Pós-Graduação latu senso em Enfermagem em UTI e Urgência e Emergência pela IMEC/CESUC nos anos 2010- 2012. Foi professora colaboradora na UFMS, em 2012. Autora de capítulo no livro Violência e Psicologia da Saúde. Presidente da seção ABEn-MS nos triênios 2007-2010 e 2010-2013. Foi Coordenadora da Comissão Organizadora da XXVI Semana de Enfermagem MS, em 2010. Vice-Presidente e Membro da Comissão Executiva do 16º SENPE, em 2011. Coordenadora da Comissão de Tesouraria e Organizadora do 4º SENABS, em 2014. Tesoureira da ABEn , seção MS na gestão 2013-2016 e Vice Presidente na gestão 2017-2019. Membro suplente na CIES/MS. 

Atua como Enfermeira na Classificação de Risco na área de Urgência e Emergência na Associação Beneficiente de Campo Grande e como Enfermeira Assistencial e Administrativa na Unidade de Terapia Intensiva de Cardiologia.

1. Sueli, obrigada por ter aceito o nosso convite. Quem foram as pessoas que te inspiraram a fazer este trabalho e assumir a responsabilidade de conduzir a ABEn MS?

Meu primeiro contato com a ABEn foi durante a minha graduação em Enfermagem na Pontifícia Universidade Católica (PUC) em Curitiba. A ABEn PR era composta principalmente por enfermeiras professoras da Universidade Federal do Paraná e entre elas a Professora Ézia Maria Corradi. Eu gostava muito de participar e fui convidada a apresentar um trabalho no Congresso Brasileiro de Enfermagem em Goiânia, em 1995 e assim recebi um incentivo e um apoio da ABEN para pagamento da alimentação e pernoite. Lembro-me bem da experiência e do meu trabalho, sobre a Assistência de Enfermagem na Hemodinâmica. 

Depois eu vim para Campo Grande e comecei a trabalhar na Santa Casa e conheci a enfermeira Aparecida Lima, que participava das reuniões da ABEn. Ela me convidou para participar e depois de acertos com plantões, fui participar da minha primeira reunião da ABEn MS, em 2004. Nesta época, a presidente era a Professora Auxiliadora, que sugeriu o meu nome para ser presidente da chapa nas eleições de 2007.

2. Quais foram os desafios na gestão da sua Diretoria?

Eu pensei: preciso organizar um grupo e comecei a convidar as pessoas. Convidei Karine Ferreira da Costa, Ana Patricia Ricci, Danilo Bertolotto dos Anjos, Lilian Elaine Flores, Arminda Rezende de Pádua Del Corona, Agleison Ramos Omido Junior, Roberta Machado P. Dornelles, Renata Cardoso Pereira, Cassia Barbosa Reis e Thiana Trindade Freire e teve as eleições e em 2007, iniciamos a nossa gestão. 

Eu nunca tinha pensado que seria presidente, pensava em participar e ajudar. Aceitei o desafio e pensei em propor uma força tarefa, assim em primeiro lugar o objetivo foi ter uma sede para a ABEn. Nesta época a ABEn funcionava em uma sala na Unidade IX na UFMS e queríamos um lugar mais amplo e com acesso fácil. O segundo desafio foi: aumentar o número de associados da ABEn MS. Fizemos a mudança e instalamos a ABEn MS em uma sala em um prédio tipo condomínio na Rua Rio Grande do Sul. Infelizmente lá teve um arrombamento e vários objetos foram furtados. 

Ficamos lá um curto período e mudamos para uma sala cedida pelo SIEMS, na Rua Barão do Rio Branco. O espaço físico era pequeno e daí locamos uma sala na Rua Eduardo Santos Pereira e conseguimos contratar uma estagiária. O número de associados variava entre 25 a 42 a cada ano e assim tínhamos condições de alugar uma sala. Em 2011, mudamos para uma sala junto ao COREN MS na Rua Dom Aquino. E o nosso terceiro desafio foi divulgação da ABEn no Estado de Mato Grosso do Sul, junto aos hospitais e municípios do interior. 

Nós representamos a ABEn em todos os cursos de graduação de enfermagem no Estado. E assim tínhamos a participação de acadêmicos em eventos e a ABEn MS foi crescendo. E nosso empenho foi a mobilização para realização de um evento da ABEn de âmbito nacional em nosso estado. Eram muitos desafios, pois na época, não existia ainda nenhum curso de pós-graduação de Enfermagem nível mestrado no estado e o número de associados era pequeno. Mas, participávamos ativamente das atividades da ABEn Nacional. 

Durante a minha primeira gestão a presidente da ABEn Nacional era a Enfermeira Maria Goretti David Lopes. Aceitamos o desafio de concorrer junto a ABEn para sediar o Seminário Nacional de Pesquisa em Enfermagem (SENPE), em Mato Grosso do Sul. O Convention Bureau preparou material sobre o estado e com a ajuda da enfermeira Arminda, que ocupava o cargo de Tesoureira, divulgamos o Estado de Mato Grosso do Sul no CONABEN, realizado durante o Congresso Brasileiro de Enfermagem, realizado em 2009, em Florianópolis. 

Na época a Professora Emiko Yoshikawa Egry era a Diretora de Nacional do CEPEn e a Enfermeira Ivone Evangelista Cabral era a Presidente da ABEn Nacional. Tivemos a participação da UFMS e da UEMS para a construção do Projeto e a Professora Emiko apresentou o Projeto junto ao CNPq e esteve conosco durante todos os preparativos. Enfim, o 16º SENPE, realizado em junho de 2011, na UCDB tivemos a vinda de muitos palestrantes e participantes e foi um grande sucesso. Nesta gestão também concorremos para sediar o 40ª Seminário Nacional de Diretrizes de Enfermagem na Atenção Básica de Saúde (SENABS) em Campo Grande

3. E quais foram as lições aprendidas.?

Aprendemos muito e foi muito gratificante a possibilidade de sediar o SENPE em nosso Estado e também a possibilidade de conhecer muitos enfermeiros que são pesquisadores e autores de livros. Além disso, a importância de divulgar a ABEn e suas finalidades científicas e políticas. A enfermagem está sobrecarregada psicológica e sofre de stress. E a enfermagem tem uma grande responsabilidade no processo de cuidar.

4. Este ano, em 2021, já se passaram vinte anos desde a criação da ABEn seção MS. O que você considera ser prioritário para a ABEn, seção MS como entidade de classe?

Tem muitas ações que gostaria de ver realizadas pela ABEn. Acho importante o resgate histórico de nossa associação. Porém, considerando que estamos em uma pandemia, vejo que existem muitas dificuldades. A gravidade da doença tem evidenciado muito as complicações da Covid 19 e precisamos continuar falando das medidas de prevenção, como a lavagem das mãos. A ênfase é o cuidar com conhecimento. Importante também ter maior conscientização, valorização e reconhecimento da enfermagem. Gostaria muito de ver os avanços nas negociações de piso salarial e carga horária regulamentada.

Sueli, muito obrigada por seu depoimento e por todo o seu trabalho realizado durante as suas gestões que você esteve na presidência

 

Entrevista obtida em 25/02/2021, forma virtual.

Enfermeira Margarete Knoch, Secretaria Geral da ABEn – Seção MS. Gestão 2020-2022.